segunda-feira, 15 de abril de 2013

Salmo para Oração da noite - Mangaratiba

Amo Salmos... eles nos remetem a forma mais dolorida e intensa de nos comunicarmos com Deus!

E por isso, vamos ao Salmo apropriado para o fim do dia em Mangaratiba...

Increpadas a injustiça e a parcialidade dos juízes
Salmo de Asafe
82   Deus assiste na congregação divina; no meio dos deuses estabelece o seu julgamento.
  Até quando julgareis injustamente, e tomareis partido pela causa dos ímpios?
  3 Fazei justiça ao fraco e ao órfão, procedei retamente para com o aflito e o desamparado.
  4 Socorrei o fraco e o necessitado; tirai-os das mãos dos ímpios.
  5 Eles nada sabem, nem entendem; vagueiam em trevas; vacilam todos os fundamentos da terra.
  6 Eu disse: Sois deuses, sois todos filhos do Altíssimo.
  7 Todavia, como homens, morrereis e, como qualquer dos príncipes, haveis de sucumbir.
  8 Levanta-te, ó Deus, julga a terra, pois a ti compete a herança de toda as nações.




10 comentários:

  1. Este pequeno salmo é um pronunciamento vingativo contra juízes corruptos.
    Deuses: Na cultura dos cananeus, os chefes dos clãs, tribos, ou os reis das cidades, eram grandemente venerados através das gerações e freqüentemente recebiam o título de "deuses".
    Acho que tem gente pensando que é um Deus e que pode tudo, inclusive manipular e jogar com a vida das pessoas. A mão de Deus, o único, pode pesar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você "doloriu" comigo.

      Esta é a mensagem...

      Excluir
  2. Rui Barbosa:De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.

    ResponderExcluir
  3. Mais Rui Barbosa:A injustiça, senhores, desanima o trabalho, a honestidade, o bem; cresta em flor os espíritos dos moços, semeia no coração das gerações que vêm nascendo a semente da podridão, habitua os homens a não acreditar senão na estrela, na fortuna, no acaso, na loteria da sorte, promove a desonestidade, promove a venalidade [...] promove a relaxação, insufla a cortesania, a baixeza, sob todas as suas formas.
    Rui Barbosa

    ResponderExcluir
  4. Se você treme de indignação perante uma injustiça no mundo, então somos companheiros

    Che Guevara

    ResponderExcluir
  5. Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada;
    quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores;
    quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você;
    quando perceber que a corrupção é recompensada e a honestidade se converte em auto-sacrifício;
    então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada.
    Ayn Rand

    ResponderExcluir
  6. Ao ler este texto consigo entender um pouco os motivos de tanta injustiça. Deleitem-se. Não sou Leila Castro, mas gosto da boa leitura e do bom entendedor:

    Roque Theophilo

    Calúnia é um termo que vem do latim, calumnia, engodo, embuste. A calúnia não se confunde nem com a difamação nem com a injúria, outros dois crimes contra a honra. A difamação (do latim diffamare) significa desacreditar, sendo um crime que consiste em atribuir a alguém fato ofensivo à sua reputação de pessoa fiel à moralidade e aos bons costumes. Não se confunde com a calúnia, pois esta consiste numa imputação injusta de fato tipificado como crime. Na difamação o que se busca é desacreditar a vítima, embora sem apontá-la como autora de fato criminoso. (...)
    Quanto à injúria do latim injuria, de in jus, injustiça, falsidade, trata-se de um crime contra a honra consistente em ofender, verbalmente, por escrito, ou fisicamente (injúria real), a dignidade ou o decoro de alguém. A injúria ofende o moral, abate o ânimo da vítima, ao passo que a calúnia e a difamação ferem a moral da vítima. (...)
    Fofoca é o mexerico, intriga, a bisbilhotice. É um mal que para muitos é divertimento sem importância, mas que é extremamente destrutivo: A vontade de passar informações faz parte do homem, é a comunicação, é uma ação humana natural e normal, mas na maioria das vezes esquecemos do outro e não medimos as conseqüências das nossas palavras. Quando uma pessoa não controla a cobiça, o resultado é a inveja, que desperta o instinto animal de prejudicar o próximo pela difamação. O vaidoso que é infestado pelo orgulho e pela arrogância, é muito propenso a usar a fofoca. (...)
    Afirmativas como “onde há fumaça há fogo”, em verdade são armas utilizadas pelos caluniadores. O correto é: “onde há fumaça há um caluniador”. Para bom entendedor, quem está sendo exposto não é o caluniado, mas sim o caluniador: revela-se e desvenda um interior conflitado.
    ( dividirei o texto, que pena!)

    ResponderExcluir
  7. A Calúnia e a Fofoca (continuação)


    O caluniador é uma pessoa que está sempre em conflito consigo mesmo. Quem está de bem com a vida não tem sequer vontade de caluniar, quer apreciar as coisas boas da vida.
    Por vezes, as pessoas lidam de forma inadequada com suas perturbações. Por exemplo, passam a ingerir muita bebida de álcool, ou mergulham num mundo imaginário e se afastam da vida real. Outra forma inadequada é a calúnia. O caluniador procura transferir seu desequilíbrio para outra pessoa. Lançando uma calúnia ele percebe que o interior da pessoa atingida começa a se desorganizar. Para que isso ocorra, a calúnia deve ser impactante, deve penetrar no interior da vítima e estourar como uma bomba. Portanto, agora quem está desequilibrado é o outro e não mais ele. Ou há mais alguém perturbado e em sofrimento como ele.
    Como este artifício é fantasioso, não promove um alívio duradouro ao caluniador, como um vício ele sente necessidade de repetir e repetir o ato de caluniar. É uma falsa saída para seu desequilíbrio. É como se alguém pegasse o lixo de sua casa e jogasse no pátio do vizinho. Por alguns momentos tem a sensação de estar limpo. Mas o lixo reaparece na sua casa, pois ela é o gerador de lixo.
    Existem dois tipos de caluniadores: aquele que calúnia sistematicamente e aquele que o faz num momento em que sua vida não vai bem.
    E existem também as pessoas que levam adiante a calúnia gerada por outro. É um fenômeno que acompanha a humanidade desde sempre. Um dramaturgo romano, Plauto, escreve em uma de suas peças: “Os que propalam a calúnia e os que a escutam, se prevalecesse minha opinião, deveriam ser enforcados, os primeiros pela língua e os outros pela orelha”.
    Brincadeiras à parte, temos que aprender a lidar com estes fenômenos. Todos estamos sujeitos a ele. Sheakespeare escreveu: “Mesmo que sejas tão puro quanto a neve, não escaparás à calúnia”.(...)
    Aquele que se percebe gerando calúnia se beneficiará de uma ajuda profissional para procurar lidar de uma maneira mais eficaz com seus desequilíbrios.
    Provavelmente, graças a esse poder contaminante do pensamento primário é que, muitas vezes, julgamos uma causa por sua aparência, brigamos com amigos por detalhes fúteis e esquecemos o imprescindível para guardar o periférico. (...)
    Postado por Atena às 12:49 PM

    ResponderExcluir
  8. "Esta é 1000!
    "Ninguém vale pelo que sabe,mas por aquilo que faz com o que sabe."Leonardo
    Boff.

    ResponderExcluir

Comente com responsabilidade e participe com sinceridade!