terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Eu gostei!

Moacyr Góes: Os falsos amigos
Precisamos de pessoas que coloquem o interesse coletivo acima dos pessoais

Diretor de teatro e cineasta

Rio - Os textos clássicos são assim chamados porque guardam ensinamentos e beleza que não envelhecem com o tempo. “O Inimigo do Povo”, drama de Ibsen, é um desses tesouros da dramaturgia universal que muito dizem sobre os dias que vivemos.

É a história de um médico respeitado de uma cidade-balneário da Noruega que descobre que as águas da região estão contaminadas e que, por isso, essa fonte de riqueza deve ser estancada até que se trate a qualidade dos banhos. Como a cidade vive das águas, o prefeito e a maioria dos cidadãos transformam o médico em inimigo do povo. A despeito disso, o médico afirma a verdade, pagando caro por isso.

Essa história é exemplar para que se entenda o valor do espírito público em detrimento das circunstâncias, sejam elas de que ordem forem. Qual é o homem público que tem coragem de agir sob o império da verdade a despeito da vontade ou ação da maioria? Entre nós é raro.

O desastre de Angra do Reis é o mais recente exemplo. Sabia-se da desordem das construções, da irresponsabilidade diante da realidade da natureza da região e, não obstante, permitiu-se o crime que culminou em tragédia, em mortes. Por demagogia, por deliberações irresponsáveis e por atitudes que produzem dividendos políticos ou econômicos, vamos convivendo com a morte, mais que o necessário.

É preciso encarar remoções, limites ecológicos e assumir interdições, por mais impopulares que possam sejar. Chega de “amigos do povo”; precisamos do “inimigo do povo“. Mas quem tem coragem? Somente aqueles para quem a consciência e a retidão são mais importantes do que a popularidade e o poder.

Publicado em O Dia de 09/01/2010

Não poderia deixar de reproduzir este texto. É fina nata!

2 comentários:

  1. marciamaralhassuperando14 de jan de 2010 14:05:00

    rsrsrsrs Leila, me sinto esse médico... mas, sei que ao tempo de Deus, as pessoas descobrirão todas as verdades... Minha saída da Prefeitura teve um motivo, que não é o que "eles" querem mostrar... estou calma e tranquila... assim como devem ficar os que nada temem e devem e os VERDADEIROS filhos de Deus!!!! Só peço, que vcs olhem com carinho pela Fundação... a arrogância, está querendo destruir a semente plantada!

    ResponderExcluir
  2. Márcia,

    Tudo tem um tempo certo para acontecer e o que é encoberto acaba ficando exposto.

    Se as pessoas deixassem os partidarismos e abraçassem as causas, teríamos o bem comum sendo vivido.

    Tenho contato com pessoas que me dizem que a nova Presidente da FMP, está pagando para ver se a população, conselho e oposição poderão modificar o quadro de destruição que começa a surgir na FMP.
    Quem conhece a "doce" Presidente, sabe que ela é chegada a miudezas e vinganças, ou melhor, é a cara do desgoverno de Mangaratiba.
    Mas, as pedras já começam a cair. Pequenas agora, maiores amanhã e logo teremos a queda deste desgoverno.

    Somos povo que está aprendendo a viver sua cidadania e logo, arregaçaremos as mangas e nos recontruiremos.

    Fique na paz de quem sabe que cumpriu uma missão enquanto presidente da FMP.

    ResponderExcluir

Comente com responsabilidade e participe com sinceridade!