quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Educação básica em Mangaratiba

Bom, estava eu, uma anônima munícipe pensando na educação de Mangaratiba e como sou ansiosa demais, não estou conseguindo esperar o novo governo assumir para expressar minhas preocupações.

Vejo todos falarem em escola técnica, faculdades e segundo grau, mas não vejo uma grande preocupação justamente com o que diz respeito a competência do governo municipal, que é o ensino básico. Claro que tudo isto é importante, mas sendo práticos e realistas, para que servirá esta distorção de prioridades, se não se consegue ainda perceber que a educação em Mangaratiba, ainda engatinha em sua responsabilidade.

Uma educação que vem sendo distorcida em seus valores ao longo destes anos, onde seu quadro de efetivos é mínimo e é tocada por profissionais contratados, que muitas vezes é indicado sem que sua capacidade seja avaliada. Uma educação que ainda prima pela politicagem à serviço dos governantes e não da sociedade.

Nossa educação não atinge seus objetivos, pois ainda não conseguimos atender nem 50% das necessidades da população com creches e pré-escola que está incluida nos repasses de verbas do governo federal, pois faz parte do ensino básico, daí termos a mudança na nomenclatura de Fundef para Fundeb (Fundo de desenvolvimento da educação básica).

Nossa educação tem como instalações, prédios que deveriam ser interditados, por não atenderem as normas estabelecidas na LDB. Onde o espaço físico não foi elaborado para atender as exigências legais, nem técnicas, quanto a adequação a faixa etária, mobiliário, ventilação, tamanho, equipamentos, som, iluminação e tantas outras necessidades.


Se pensarmos então na educação infantil (pré-ecola e creches), ficaremos boquiabertos com tantos problemas que encontramos. Não precisamos visitar todos os estabelecimentos de ensino para esta constatação, os de Muriqui, procurem a escolinha Maria de Lurdes que constatarão os graves problemas deste estabelecimento. Problemas que são minimizados pela competência do grupo e dedicação, e que ainda atende crianças com necessidades especiais e não vejo adaptação alguma para atendê-los.

Na creche de Muriqui pode ser que tenhamos uma melhora, mas será necessário a inauguração para que possamos verificar. Será que atenderá a demanda?

Além destes problemas, ainda temos o transporte para estas crianças e seus responsáveis, que percorrem um longo caminho até estas instalações, no sol escaldante ou na chuva e vento tão comuns em nosso município.

Creio que isto acontece em todos os distritos! Então, como visar algo imediatamente que não é de nossa alçada e não priorizarmos aquilo que será a base para estas reivindicações futuras?

Com graves problemas na esfera de nossa competência, quem serão os usuários das escolas técnicas e faculdades tão sonhadas?

Então, peço socorro imediato e penso que devemos colocar os pés no chão e começar de fato a arrumar a casa para depois pensar nas flores para enfeitá-la.

15 comentários:

  1. Se o Prefeito Eleito não se preocupar de fato com a educação básica, estaremos naufragando de vez.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Leila, mais uma vez, pela sua lucidez.
    Você será nossa bússola. Que tal?

    ResponderExcluir
  3. Ao anônimo,

    É isto que não percebo em nosso povo. Ninguém está preocupado de fato com estas questões. É mania de grandeza. Pensam em faculdades, mas esquecem o caminho a percorrer até lá. Pensam em escolas técnicas, mas não se ligam que será necessário um diagnóstico da demanda para aquela área que será implantada. E principalmente esquecem que a educação básica, justamente a que é de nossa competência, é que levará ao ensino médio e a faculdade.

    Você está com a razão em pensar em naufrágio, sem um tratamento de choque nesta área.

    ResponderExcluir
  4. Humberto,

    Claro que topo! O blog está aí para isto também. Um canal mais informal com o governo. Acho que se dscutirmos estas questões tão importantes para nós, estaremos fazendo uma parte de nossa responsabilidade.

    No dia que me recusar a ser ouvida por um governo eleito democraticamente, estarei sendo mais uma oposição burra que prefere ver um município se dar mal, para que mais adiante venha reclamar.

    ResponderExcluir
  5. Excelente retrato de nossa realidade na educação!
    Espero que o Capixaba entre de sola nesta questão, porque dá para passar o rolo compressor ao mesmo tempo em várias áreas que estão sucateadas.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns Leila por levantar esta questão! Pois o que se verifica nesta etapa de transição são infindáveis reuniões, alunos sem professores titulares, perda total de tempo na tentativa de se manter cargos, enquanto decidem quem irá inaugurar a creche de Muriqui se o atual ou os que irão tomar posse,crianças e pais ficam a mercê de "indecisas decisões" dos atuais ocupantes da SME. Perdidos esquecem que a educação, mesmo em tempos de transição deve seguir suas rotina e metas estipuladas para se alcançar os objetivos comuns e não eleitoreiros.
    Antes de pensarmos em escola técnica, porque não repensar o fechamento de escolas,como a de Ensino Médio em Itacuruçá, o mal funcionamento do CES de Mangaratiba que nunca funcionou realmente e adequadamente. A estrada é longa e deve ser trilhada em sua competência:o Ensino Básico para que as pedras que estão no caminho a ser percorrido até o Ensino Médio e a Universidade sejam retiradas. A vida tem : começo,meio e fim, não se morre antes de nascer.

    ResponderExcluir
  7. Muito bom! São tantas questões que estão pendentes em nossa Educação, que você veio e comentou mais problemas a serem resolvidos.

    Veja,justamente este momento de transição é que está me deixando sem paciência. Só se ouve quem será o diretor de tal UE, que já tem professores se apresentando em UE´s como futuros diretores e enquanto isto, nada de prático está sendo discutido.

    Fico mesmo sem entender como Mangaratiba quer chegar a algum ponto, se continuarmos com este "modus operandi" de nossa gente.

    Primeiro discutem o nada, depois colocam em prática este nada e mais adiante mascaram este nada com divulgações que só beneficiam a eles mesmos.

    Educação deve sempre estar nas mãos de educadores, com a participação da sociedade.

    ResponderExcluir
  8. Olá Leila,

    Exato. Você iniciou falando que Educação não é somente a educação de formação profissional, mas inicia-se na base.

    Se não começarmos bem, provendo bons prédios - mas não somentes estes -, estaremos apenas em parte nisso.

    Mas nossa cultura, penso eu, não enfatiza a educação, mas apenas um meio de sobrevivência que esse estudo vai nos trazer.

    É comum ouvir: "de que adianta ter faculdade se tem um monte de formados aí como garis?" Além de simplista, essa afirmação desconsidera que educação é o prazer de ler, de estudar, de aprender. Nossos professores não são assim, o que esperar dos alunos?

    Bjão,

    ResponderExcluir
  9. Acredito que o que Leila quer enfatizar é que sem uma boa base inicial não há alicerce suficiente para a construção do prédio.Por experiência na área posso lhe informar que realmente há muitos garis formados em universidades, o que dignifica ainda mais a profissão, afinal eles recolhem nas ruas o que milhares por falta de educação jogam pelo chão. Educação é o alicerce de todas as bases, a informação é o início de uma boa conduta social, moral e profissional. Diga-me qual profissional seja ele de sucesso ou insucesso em sua área que não passou pela educação básica? Podemos dizer sim, que alguns passaram por sistemas educacionais falidos, inadequados ou ficticios e outros por uma educação responsável, eficaz com os valores e ideais sociais. A educação é o complexo social, nela encontram-se as bases de evolução, informação, formação dos grupos sociais e da sociedade em geral. Educar para a sociedade é enfatizar o cidadão e sua cidadania. Um governo municipal que exerce sua competência caminha para a evolução natural e progressão de sua sociedade, influenciando no todo social, pois pratica a educação para o povo e nao para seus interesse. "Eduque a criança hoje para não punir o cidadão de amanhã", qualquer educador conhece esta frase tão disseminada na educação. Façam dela seu mandamento.

    ResponderExcluir
  10. Esta exposição de conceituação de educação é o que queremos mesmo!

    Você último anônimo, acrescentou mais uma questão em nossa causa. A importãncia do ensino bássco na cidadania e na formação do indivíduo.

    É na educação básica que começamos a "ser". Tudo que vivemos neste período, nos encaminha para nossa vida social, intelectual e nos ajudará como bons ou maus cidadãos. É na educação básica que iniciamos nossa socialização, é nela que descortinamos o conhecimento e é nela que se vive os primeiros passos comunitários.

    Em nossa vida escolar, poderemos chegar a mais alta graduação, que em nenhuma destas etapas passaremos tantos anos de aprendizado. É marcante, primordial e inigualável.

    Para chegarmos ao topo, precisamos fortificar a base. Um exemplo prático disto é que entramos no ensino básico como pequenos seres ignorantes de tudo e alguns sairão de lá com um título de eleitor nas mãos.

    A responsabilidade é imensa!

    Agora destaco um trecho de seu comentário:

    "Um governo municipal que exerce sua competência caminha para a evolução natural e progressão de sua sociedade, influenciando no todo social, pois pratica a educação para o povo e nao para seus interesses."

    Então voltamos ao início deste papo. Não vamos distorcer as competências do governo municipal, exigindo e cobrando algo que será necessário, mas que não é responsabilidade da gestão do município. Faculdades, escola técnica são os "extras" das ações na área onde deve atuar, que é a educação básica, que em nosso município não atende as necessidades, nem os direitos de sua população.

    ResponderExcluir
  11. Estes chamados "extras" com o crescimento educacional naturalmente irão acontecer.Hoje o que verificamos é que poucos são os alunos do município que atingem um nível universitário, logicamente não por escolha própria, mas sim por falta de recursos educacionais, para melhor explicar: mesmo os alunos que atingem o término do Ensino Médio ficam com média no ENEN desfavorável para a concorrência.Os recursos financeiros de seus pais ou proprios são insignificantes para bancar uma faculdade particular,já que o nível empregaticio do municipio se baseia nos famosos "bicos de verão",funcionalismo público ou comércio local que em sua maioria não seguem as regras do ministério do trabalho Vamos considerar um ponto positivo: Os alunos tem condução paga pela Prefeitura para Campo Grande, Santa Cruz, que bom! Mas o alunado que a utiliza em sua maioria não teria necessidade de tal, por estarem em faculdades particulares.Não há um programa de vestibular comunitário,já que a maioria não atinge o Ensino médio, voltamos ao principio. Porque? Resposta: A evasão escolar é imensa por se ter uma educação fraca em seu contexto social, é fácil verificarmos até mesmo pelo iniciar das férias no municipio, antes do tempo para que o aluno possa alcançar algum tipo de renda no verão para ajudar a família. ah! temos trabalhadores que estão agora inseridos nas grandes empresas do Porto, sim. Mas abandonaram as salas para serem piões ,esqueci temos o CES que a distância (e que distancia!)forma o alunado.Me informe quantos alunos estão desde o seu funcionamento formados por lá? Pois sua maioria recorre a Itaguaí para concluir o Ensino Fundamental e Médio no CES de lá,tendo em sua casa a mesma opção.Grandes passos foram dados: o término da escola de Ensino Médio de Itacuruçá? Onibus que circulam pelo municipio trazendo os alunos. Alguèm já viu como os alunos ficam como sardinhas em lata? Ou já repararam que crianças pequenas da pré escola não andam sozinhas nestes onibus? São pequenos detalhes esquecidos. As escolas como a citada em seu tema, todos os anos é inundada por um cano que "cisma" em estourar. Será que é porque a estrutura fisica não foi feita para ser uma unidade escolar? Então pergunto,pois sou humilde para aceitar questionamentos. Como uma criança irá se desenvolver e atingir o Ensino Médio e universitário,se não consegue permanecer no Ensino Básico com condições relativamente satisfatorias a sua formação?

    ResponderExcluir
  12. Vá a porta das escolas verifiquem como os alunos são tratados, lógico que conheço excelentes profissionais que lutam,combatem numa verdadeira guerra os disturbios existentes. Inclusão? Vamos tentar dizer um pouco desta irreal condição. Sou completamente a favor da inclusão, que fique claro, mas o que é feito aqui beira o ridiculo. As crianças "inclusas" circulam livremente pelas dependencias das escolas. Isto é incluir, só se forno papel dematriculas. Não há um preparo e nem professores especializados para incluir socialmente estas crianças ao aprendizado. Como pode um surdo acompanhar quem fala sem um trabalho prévio? Como pode o cego enxergar o quadro se as aulas não sao em Braile? Pois ai encontramos o fio da meada.O despreparo, a incompetencia.Para não falarmos daqueles que se encontram incluidos por estarem marginalizados nas escolas por não encontrarem as bases necessarias ao seu conhecimento e tornam-se vitimas da falencia educacional e são taxados de especiais quando seus problemas em sua maioria é social, é fome. Quantos frequentam as escolas para alimentarem a carne e não o espirito ou receberem o bolsa familia.
    Peço que repensem a educação de nosso municipio, discutam,estudem,valorizem, enfrentem o problema. A solução está nas salas de aula, esta na base social que é a criança, deixemos de demagogias politiqueiras e vamos trabalhar para o futuro, vamos tentar abrir ofuturo destes que estão sentados nos bancos escolares ansiosos por se tornarem fortes para encarar a vida social. Expandam os limites deles, faça com que conheçam suas opções, seus direitos e seus deveres. Vejamos o exemplo dos CAICA, CECAP,o que se formou ali:manicures,bordadeiras, costureiras. Isso se fazia em casa no tempo da minha vó. Quanto aos adolescentes de nosso municipio acredito que agora é procurar recupera-los da balburdia em que cresceram, da ignorancia em que viveram ate aqui. Porque não começar por um Centro Jovem, assim como temos o Centro da Terceira idade,onde eles possam expor os seus problemas, suas necessidades, seus anseios acompanhados por pessoas competentes,psicologos,professores, etc para que possam realmente encontrar um caminho,pois vá a praia e vejam o quanto estão perdidos, e não me digam que eles querem assim.Insira esportes gratuitos em suas vidas, incluam salas de filmes nos finais de semana gratuitos, incluam dignidade em suas vidas e vera que a escola técnica, a universidade vira naturalmente para o municipio e para a vida destes adolescentes.

    ResponderExcluir
  13. Meu Deus! Nada mais tenho para escrever!
    Só não olhará para a educação deste município quem realmente não entender o que isto significa!


    Falei como usuária do serviço público e os profissionais se manifestaram de forma excelente!

    Isto mostra como comunidade e educadores podem dar as mãos e fazer a diferença!

    ResponderExcluir
  14. Nossa Leila, uns dias sem passar por este espaço e tantas postagens maravilhosas. A união dos professores pelo aumento parece que foi o ponta pé inicial para perceberem a força que teEm. Com a comunidade escolar os apoiando não será fácil enfiarem "guela" abaixo qualquer pessoa para representar esta classe. Estes profissionais estão querendo verdadeiramente a mudança e se vierem com SECRETÁRIO, DIRETORES DE ENSINO E OUTROS CARGOS DA SME que façam a Educação andar pra trás, NÃO ACEITARÃO E SE MANIFESTARÃO. Sou uma cidadã e estarei sempre ao lado desta classe.

    ResponderExcluir
  15. PROFESSOR MARCOS SILVA15 de fev de 2011 22:13:00

    Que as pessoas comecem a tirar o "rabo" de suas cadeiras e passem a dar atenção pessoalmente às escolas. Essa coisa de ficarem enviando CI para as UEs com prazos estipulados para que as exigências sejam cumpridas, com desculpas de que precisam acompanhar a realidade da Educação,precisa acabar!

    Precisamos de uma Educação ativa e com a participação de todos. O próximo gestor precisa visitar e desenvolver assembleias com os funcionários, pais e comunidade para saber a aceitação das direções das escolas. Mudar apenas aquelas que não estão indo bem e não virem com o rolo compressor substituindo as pessoas como se fossem objetos.

    NÃO MERECEMOS VOLTAR AO PASSADO!

    ResponderExcluir

Comente com responsabilidade e participe com sinceridade!