terça-feira, 2 de agosto de 2011

Mangaratiba - a "pasmadinha" da Costa Verde

Já estou vendo a preparação dos cavalinhos de corrida... Já estou vendo os apostadores sedentos em quebrar a "banca" ou se portando como bookmaker amealhando apostas. Mas, não vejo de fato, ninguém preocupado com o cocô nas praias e cachoeiras, com desmatamento, com desemprego, com qualidade na saúde, com transporte decente, qualidade e participação na educação e etc...

Estes e outros assuntos estão sendo usados para induzir ou manipular a opinião pública e o eleitorado em geral. Claro que isto acontece sempre, claro que isto tudo foi usado anteriormente para conseguirem um lugar ao sol do poder na terrinha. Mas, caramba! Será que não existe um cidadão de fato interessado em Mangaratiba? Será que não conseguimos entender que esta manipulação sem consistência em argumentações, só prejudica a todos nós?


Isto tira até a vontade de criticar, elogiar ou mesmo participar das questões públicas. São argumentos pequenos, tolos, que por si só tornam-se enjoados e cacetes.

Creio que de tanto lerem notícias tendenciosas já não sabem usar a livre expressão, pois se valem de erros para que algum dia possam errar da mesma forma.

Não vejo pais em massa participando de reuniões em escolas, questionando, sugerindo, apoiando ou exigindo qualidade. Penso mesmo que nem sabem o que seria qualidade, pois nunca firmaram este conceito. E também não vejo professores comprometidos de fato com qualidade e ouso dizer que não saberiam também conceituar.

Não vejo ninguém recusando "favores" se encontram dificuldades em marcações de consultas, exames e atendimentos na saúde. Nem mesmo fico sabendo de pessoas que participam de reuniões de conselhos e exijam que os conselheiros façam sua lição de casa direitinho. Arrisco dizer que nem se interessam em saber o que deveriam fazer os conselheiros...

Não percebo no dia a dia, ninguém se interessando em deixar de jogar sujeira nas ruas. Não vejo comerciantes se associarem para formar uma representação junto ao executivo, nem levar sua causa ao legislativo.

Vejo falação a favor dos desvalidos, mas não percebo nem mesmo um movimento de voluntários, coisa tão normal e necessária ao desenvolvimento social.

Mas, o grave disto tudo, é ver pessoas se travestindo de oposição e não se engajando em resoluções. Ah, mais quem deve resolver são os gestores! Claro! Mas, ficar como donzelas enclausuradas na torre, não fará com que sejam respeitados!

Vou arriscar um palpite! Em 2012, tudo pode acontecer! Só não irão buscar novidades para a Câmara, nem para o executivo.

Tenho convicção que elegerão qualquer imbecil que já tenha passado pelo poder e que nada fez, ou elegerão aqueles que se travestirem de justiceiros implacáveis. Mas, nunca se arriscarão em novidades, em pessoas que não prometerem o céu corrompido das facilidades.

Não esqueçam que é da própria sociedade que surgem as instituições e seus representantes, portanto, quando criticamos as instituições, estamos criticando a sociedade da qual fazemos parte e que alimentamos com nossos atos infelizes ou com a nossa omissão.

9 comentários:

  1. Para Leila,
    " E também não vejo professores comprometidos de fato com qualidade e ouso dizer que não saberiam também conceituar"
    A menos que você esteja em um dos cargos que exige o conhecimento do que acontece no interior de todas as nossas escolas, como: Secretária de Educação, Superintendencia, Diretoria de Ensino; dentre outros, quem é você para dizer isso?
    Escondida atrás desse blog não dá tempo para ver o real trabalho dos professores deste município.
    Você acaba de ser mais uma a apedrejar a classe. O que você sabe sobre professores comprometidos de fato com a qualidade? Em que momento esteve dentro das salas de aula para afirmar isso? Nos difama sem dó, sem piedade!
    O mais irônico ( a palavra seria esta???) é que antes mesmo das atuais modificações nos aspectos pedagógicos, financeiros, administrativos vários de nossos alunos alcançaram grande sucesso. Afinal temos uma ex-aluna que é Secretária de Educação!!!E vem você falar, avaliar, colocar em cheque se sabemos conceituar qualidade. Sabemos sim e com muito orgulho. Somos mais inteligentes e capazes do que imagina. Apresentamos a nossa qualidade a cada dia em que assumimos e brilhamos ao desenvolver nossos múltiplos papéis: docente, pai, mãe, psicólogo, amigo.
    Mais uma vez você esta cumprindo o seu papel: falar mal de quem trabalha na SME, dos diretores, dos professores, dos responsáveis. Só falta os alunos!!!!!
    Aguardo ansioso para saber quem será a próxima vítima.
    Por fim, "até tú Brutus" foi fruto dessas pessoas/educadores que insistem em provar que sabem o que é qualidade, e você, ousa dizer que não possuímos tal conhecimento.
    Concluindo..
    Concluindo que nada!!!!Estou recomeçando.
    -Foi mal professora!
    Responde um aluno ao "pisar na bola".
    - Tudo bem, mas evite fazer novamente.
    Responde a docente.
    Para Leila, ela fala:
    - Foi péssimo. E, machucou de verdade!!!!!
    Mas isso só entende quem ouve, cheira, olha,toca e degusta integralmente o magistério.

    ResponderExcluir
  2. Amiga magoada,

    tudo é bom somente quando não fazemos o "mea culpa", não é mesmo?

    Eu posso falar sim em qualidade! Posso escrever mesmo sobre compromisso com a educação! Posso e devo opinar, pois sou usuária deste serviço, sou contribuinte e tenho olhos de ver...

    Se professores se indignam em irem para sala de aula, como posso crer que estão comprometidos com educação?
    Se vejo só pedidos para benesses pessoais, como posso entendê-los?
    Se vejo professores afirmarem que o aluno tal, NÃO TEM JEITO, como posso afirmar que o educador tem jeito?

    Se vejo guerra dentro de UEs, entre os próprios profissionais, como posso crer que sabem como definir qualidade em educação?

    Já pensaram quais são as metas a serem atingidas? Qual é o objetivo final que almejam? Vcs adequam o PPP a realidade do ano letivo? E como é feito este PPP? Copiado dos anos anteriores? Ou é repensado, em acordo a realidade de um diagnóstico comunitário? Quantos de vcs fazem espontanemanete o plano de aulas? É feito por um e copiado pelos outros?
    Quantos de vcs discutem os problemas da comunidade em que estão inseridos? Quantos de vcs estão motivando uns aos outros? Motivando, diferente de reclamar da comunidade, dos pais e da SME? Quantos adoram apregoar que são protegidos por A ou B? Quantos querem de fato adquirir conhecimentos para partilhar de fato com seus alunos?

    Amiga, o inimigo não sou eu.... escrevo aquilo que recebo como cidadã, como profissional, como pessoa que tem por objetivo, receber um bom serviço público, sem precisar viver de enganos conceituais.

    E minha amiga, citar exceções para exemplificar a massa, é no mínimo, procurar agulha em palheiro, ou encontrar uma pepita de ouro no cascalho.

    A motivação PESSOAL de alguns, não pode ser usada para servir de parâmetro para qualificar a Educação ou qualquer outra área.

    O que serve de base para diagnóstico é o resultado geral:

    Quantos alunos se destacam no mercado de trabalho? Quantos alunos conseguem chegar ao ensino universitário? Quantos alunos são destaques em concursos ou conseguem ter uma expectativa profissional e social decente?
    Quantos alunos foram inseridos no contexto de sua cidadania? Qual é a evasão escolar? Quantos analfabetos funcionais existem na rede? Qual é o resultado do ensino de Mangaratiba nas avaliações nacionais?

    Neste processo me incluo como cidadã.... por isto questiono pais também! Só não precisa se preocupar, pois os alunos jamais serão incluídos no "mea culpa" que faço...afinal, são eles os "nossos educandos"...

    Agora, se falarmos em exceções, destacaremos os alunos que se sobressaem em Olimpíadas, falaremos daqueles que mesmo fazendo EJA, chegam a universidades....isto é esforço pessoal!!!!

    Como diz um amigo: "Simples assim!"

    ResponderExcluir
  3. E ao lerem seu comentário, algumas pessoas me alertaram para alguns trechos.... que demonstram o quanto estão distantes dos usuários da educação..

    "A menos que você esteja em um dos cargos que exige o conhecimento do que acontece no interior de todas as nossas escolas, como: Secretária de Educação, Superintendencia, Diretoria de Ensino; dentre outros, quem é você para dizer isso?"

    Quem sou eu? Sou a cidadã que escolheu não ser intimidada por arrogantes, superficiais e sem conteúdo protagonistas de um espetáculo que pago para assistir e coadjuvar.

    Consegue entender isto? É nosso direito avaliar vcs, é nosso direito recusar distorções profissionais e é nosso direito explicitar nossas opiniões.

    Posso e devo colocar todos em XEQUE, mesmo que não tivesse a tal "formação" profissional de vcs, pois o serviço público atinge a todos nós em suas diferentes áreas e deve primar por excelência....

    Pense nisto, a sua postagem ratifica minha opinião....falta ainda muito para que seja usada esta sua frase final...

    "Mas isso só entende quem ouve, cheira, olha,toca e degusta integralmente o magistério."

    Falta OUVIR o usuário, falta CHEIRAR seus iguais, falta OLHAR a comunidade, falta TOCAR livros, falta aprender a DEGUSTAR críticas!

    ResponderExcluir
  4. Leila,
    Fechou a conta e passou a régua. KKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  5. Acho que você agora está lidando com o que os professores temiam nessa secretaria: a empáfia, a soberba, a arrogância, o autoritarismo.
    Talvez agora, depois de passar por um período onde os professores podiam falar, revindicar e até construir suas propostas. Onde os resultados não eram escondidos mas discutidos e por muitas vezes isso foi entendido como acusação de incompetência, alguns professores possam sentir que não basta ser banana da terra para comandar. A competência está no estudo, na formação, no caráter no saber dizer não sei sem perder o respieto do outro. Talvez você até possa avaliar suas posições que por vezes foi bastante radical.Como estão funcionando os conselhos escolares? Cada escola tem o seu. Se me espelhar em alguns fico bastante temerosa. Quanto a planos, fui olhar a página da prefeitura e os planos são do governo anterior mas as ações não. Algo não vai bem.

    ResponderExcluir
  6. Perdoe amigo(a) acima,

    Todos nós sabemos que educação é a área mais importante do serviço público, a mais frágil e a que demonstra seus resultados mais lentamente.

    Com base nisto, não podemos comparar o que está acontecendo em 5 meses, com uma secretaria que ficou no poder por 6 longos anos. E te digo mais, os conselhos não estão funcionando, como anteriormente também não funcionavam e tiveram estes longos 6 anos para modificar este quadro, e não o fizeram.

    Veja, afirmar que a administração anterior permitia que os professores tivessem voz, que podiam reivindicar e construir propostas, creio que não é uma realidade. Penso ser uma visão parcial daquilo que nós usuários interessados plenamente na educação pudemos perceber e receber como serviço público.

    A visão que tenho hoje é a de que "tudo era bom", justamente por não haver cobranças profissionais, que tudo corria solto, onde somente as imposições da SME eram cobradas para efeito de propaganda governamental. Não via liberdade, compromisso e igualdade em respostas a reivindicações dos professores. Percebia sim, os privilégios para alguns, e a mão forte para os demais. Percebia escolas anos a fio, sem prestarem contas de suas burocracias, que infelizmente existem e devem ser executadas nos devidos prazos para que se tenha em mãos, material para diagnóstico da educação.

    Algo não vei bem... Concordo, mas não seria a dificuldade de se tirar vícios adquiridos em toda a educação? Até mesmo os vícios dos componenetes da SME? Não seria a mão podre da gestão passada que continua a infectar nossa educação?

    Não sei! A única certeza que tenho, é que acompanhei a educação nestes anos, e a única atitude que posso ter, é comparar os cinco meses de uma com a outra. E com isto, ainda estou dando crédito para a atual gestora.

    Em 6 anos anterior, só vi "prêmios" que de nada adiantaram para a sociedade. Vi esta mentalidade do anônimo que iniciou o debate se perpetuar nas UEs, onde os destaques pessoais eram usados para propagandear a gestão. Vi escolas sendo saqueadas a olhos nus e tudo estava bem... Vi mutirões ao final da gestão passada para que se minimizassem os efeitos da falta de cobrança junto as UEs da parte documental de nossas escolas. Na gestão passada, vi muitos diretores queimando documentos de diretores anteriores. Vi tanta coisa....

    É, algo não vai bem! Mas, quem sabe se direcionarmos a educação para a análise do presente, focando um futuro mais próximo, nos libertaremos do passado tão sombrio?

    ResponderExcluir
  7. Professor Markito8 de ago de 2011 19:02:00

    Desculpe anônimo mas essa frase não é real:
    "Talvez agora, depois de passar por um período onde os professores podiam falar, revindicar e até construir suas propostas."

    Professores não podiam falar porque a Bethânia, Arnaldo e companhia não admitiam serem contrariados, não aceitavam opiniões dos professores. Revindicar era proibido, os diretores de escola recebiam telefonemas e proibiam qualquer ação que contrariassem os superiores, quando os professores lutaram pelo aumento, tiveram que passar por cima das ordens que eram de não permitirem isso porque pegava muito mal para a Secretária e sua equipe; aqueles que foram revindicar na Câmara levaram falta em sua folha.

    A realidade é que foram mesmo seis anos de decadência e que agora precisaremos de muito tempo para levantar a qualidade de nossa educação e nossa Secretária está encarando de frente e lutando para alcançar esse objetivo.

    ResponderExcluir
  8. Professor,

    penso que apesar desta falta de memória popular, devemos de fato enterrar o passado para seguirmos em frente....

    ResponderExcluir
  9. Ao anonimo que tanto esbravejou,
    Não lembro de nunca em nenhuma outra secretaria tivesse o professor voz para opinar sobre erros e acertos. Duvido que em outras gestões algum professor que não pertencesse a panela eleitoreira da prefeitura e seus 40 ladrões pudesse desenvolver qualquer tipo de trabalho junto a seus alunos e qualquer sucesso individual seria colocado na conta da grande secretária, que por sinal nunca desenvolveu nada de extraordinário em sua carreira profissional.
    Seis anos de decadencia é pouco, foram mais com certeza, pois seus anteriores não mereceram nenhum credito tambem em suas ações.E deixaram frutos de semi analfabetismo por toda a cidade. Verifique , vá as salas de aula peça uma dissertação sobre qualquer tema e verá o resultado. Peça para alguns dos professores que ali participaram e hoje se encontram escondidos em algumas escolas, parados no tempo pedindo pelo amor de Deus para que não sejam descobertos em sua ignorância.Muitos deles ativos participantes do governo anterior e muitos não conseguem redigir um texto sem erros ortográficos ou ao menos compreensíveis.
    Pare anônimo e recicle seus conceitos de educação.

    ResponderExcluir

Comente com responsabilidade e participe com sinceridade!